Responsive Ad Slot

Saúde monta plano de ação para os Jogos Olímpicos

Postado por Maria Alice Campos

22/07/2016 18:15


Crédito:

O Plano de Ação para os Jogos Olímpicos Rio 2016 no Distrito Federal foi concluído pela Secretaria de Saúde. O documento, que começou a ser elaborado ainda em agosto de 2015, determina como a rede deve atuar em diversas situações, de forma a garantir a assistência à população em geral e aos torcedores que forem ao Estádio Nacional Mané Garrincha nos dias das partidas de futebol.

 “A Secretaria de Saúde está preparada e tivemos como base reuniões, oficinas e capacitações. Havendo necessidade, todos serão assistidos”, garantiu a diretora de Urgências e Emergências (Diure) da Secretaria de Saúde, Julister Maia.
A atuação da pasta ocorrerá no atendimento pré-hospitalar prestado pelo Serviço de Atendimento Móvel de Urgência (Samu) nos arredores do estádio. Em cada partida serão destinadas duas ambulâncias – cada uma com três profissionais – e duas motolâncias, com dois servidores, cada. Além disso, no bolsão de estacionamento próximo à arena, estará posicionado, de forma estratégica, um Caminhão de Múltiplas Vítimas, veículo equipado com tendas que, acionadas, ficam prontas para utilização em apenas 20 minutos. Também será disponibilizado um Veículo de Intervenção Médica.
 Dentro do estádio, 12 profissionais da Vigilância Sanitária e da Vigilância Epidemiológica farão a inspeção das instalações e alimentos, e outros dois, da Diure, farão monitoramento. Para o atendimento pré-hospitalar de torcedores e atletas dentro da arena, o comitê organizador disponibilizará, a cada jogo, 99 profissionais, nove ambulâncias, 40 socorristas e seis postos médicos.
 De acordo com o Plano de Ação, o Hospital de Base será destinado ao atendimento de pessoas com quadro clínico de trauma. O Hospital Regional da Asa Norte, por sua vez, será destinado ao atendimento dos demais casos clínicos. O Hospital Regional de Taguatinga prestará apoio às duas unidades da região central de Brasília.

Para a diretora de Urgências e Emergências, haverá o fortalecimento das equipes e constante monitoramento para que todos os que tiverem necessidade sejam atendidos. Nos dias de jogos, 30% dos leitos do pronto-socorro do Base e do Hran serão deixados de reserva para atender à demanda do dia.

 Está em estudo, por parte da secretaria, a possibilidade do reagendamento de procedimentos cirúrgicos eletivos nas datas das partidas. A medida tem o objetivo de deixar livre os centros cirúrgicos para rápida atuação em caso de catástrofe. Se alterada a rotina hospitalar, as cirurgias serão remarcadas para o mesmo dia em outro hospital da rede, ou na data mais próxima, na unidade em que estava originalmente agendada. As consultas ambulatoriais serão mantidas durante os jogos e os centros de saúde também funcionarão em horário normal.

A Fundação Hemocentro de Brasília, que participa do Plano Nacional de Contingência para Grandes Eventos da Coordenação Geral de Sangue e Hemoderivados do Ministério da Saúde, também atuará nesta ocasião. Todas as tipagens de sangue estão com percentuais que variam de 20% a 200% acima do estoque considerado estratégico para suprir a demanda da Secretaria de Saúde.

 Durante as Olimpíadas, se houver necessidade, o Ministério da Saúde fará a mobilização de estoques, dando maior garantia de suprimento de sangue em caso de situações de emergências de maior gravidade.